Blog

Dialogando sobre perdas e lutos

by in Blog

A vida é um constante processo de luto e superação. São diferentes tipos de perdas, que variam entre mais ou menos intensas e definitivas. Perder uma pessoa querida sempre nos deixa sem rumo e com sentimentos de vazio que parecem que nunca serão preenchidos. Talvez, por isso, falar sobre a morte é sempre complicado.

Seja qual for o tipo de perda que vivenciamos, sempre somos colocados diante da necessidade de experimentar o luto. Ou seja, confrontar-se com a ausência e a falta do nosso objeto de afeto e elaborar esses sentimentos. Esse é o caminho para podermos seguir em frente. Isso também não significa ‘substituir’ ou ‘esquecer’ a pessoa amada. Mas encontrar sua maneira particular de superar a dor da perda.

O tempo e o caminho da superação são diferentes para cada pessoa. E ao contrário do que muitos pensam, ir mais fundo naquilo que gerou sua tristeza pode ser parte fundamental desse processo. O luto promove um ‘maior nível de integração e amadurecimento da personalidade.

Há tantos tipos e intensidades de perdas e de lutos a fazer. Há lutos por mortes ou separações, pelas próprias expectativas não atingidas, por um filho que cresceu e nos obrigou a nos re-situar como pais; por formar-se e ter que procurar um emprego, pela perda da infância, pelo envelhecimento…

Cada fase da vida é acompanhada de mudanças; mudanças que nos desalojam e podem ser sentidas como perdas, demandando um trabalho interno de luto. O que é sentido como perda para um, pode não afetar um outro da mesma maneira.

Desde pequenas separações, até perdas mais definitivas, os lutos a fazer são diários e seus efeitos e possibilidades de elaboração vão depender, dentre outros fatores, da história afetiva dos sujeitos e da qualidade de seus vínculos primeiros. Muitas, entretanto, são necessárias e estruturantes.
Algumas pessoas acabam criando “soluções maníacas” para lidar com uma situação de perda. Desenvolvem uma excitação que substitui a esperada tristeza. A tal da “volta por cima” pode incluir viagens, festas, gastos, drogas, esportes, comportamentos em excesso que visam ajudar a não pensar ou sentir.
Ao contrário, é necessário “dar a volta por baixo”, poder falar a respeito, sentir, entristecer-se e mergulhar para voltar à tona. Esta é uma etapa fundamental no trabalho de luto, termo sugerido por Freud, em relação ao processo para a elaboração de toda perda. O reconhecimento de uma perda é um passo fundamental para a sua aceitação.

O processo de luto é uma etapa natural e necessária, que quando terminado vai promover um maior nível de integração e amadurecimento da personalidade. Aqueles que puderem contar com acompanhamento psicoterápico podem se beneficiar muito disto, principalmente nestes momentos

É importante distinguirmos um luto “normal”, esperado, de um luto patológico, de duração prolongada, onde há transformação da tristeza em depressão. A tristeza é um estado natural, dentre outros, que se seguem a uma perda.

Numa sociedade em que a tristeza não pode ser tolerada e deve ser medicalizada há uma demanda de que sejamos sempre felizes e bem sucedidos, o espaço para a fragilidade e para a própria subjetividade é cada vez menor. O ritmo acelerado nos faz também atropelar as emoções e o tempo necessário para cada um finalizar seus processos.

O luto vai na direção oposta. Ele traz consigo uma necessidade temporária de recolhimento, de parada. Promove uma “regressão” como medida de economia psíquica até o momento em que a pessoa em questão possa retomar seu investimento no mundo. É um tempo de convalescença psíquica.

A impossibilidade de uma pessoa vivenciar as fases necessárias de um trabalho de luto, ou mesmo um prolongamento deste período, pode levar a estados cronificados de melancolia, ressentimento e desvitalização.

É importante, que além do trabalho de elaboração individual – com ou sem auxílio de uma psicoterapia – o apoio do grupo social e a utilização de recursos simbólicos e certos rituais presentes na cultura como um auxílio na elaboração dessas etapas.
Texto compartilhado do Blog: psicanaliseblog.com.br

About
Luciana Ribeiro – Consultório de Psicologia é um espaço de psicoterapia associado a rede PsicoMed, dedicado a você, às suas necessidades, e aos seus objetivos. Experiência em hospital e consultório privado com crianças, jovens, adultos e idosos.
    Fale via whatsApp
    Enviar mensagem
    Cart